Toscana

Imagine que além dos 300 Km que separam Roma de Florença, houve a queda de uma civilização centenária que só foi renascer mil anos depois, passando por um período de muitas guerras, confusão, lendas de grandes Reis, castelos, cavaleiros, relíquias sagradas, santos, invasões de vários povos diferentes de lugares desconhecidos, cruzadas e tudo mais que foi a Idade Média. Isso tudo vai se refletir no posicionamento estratégico, na forte presença da Igreja e nas preservadas muralhas de cada cidadezinha que você visitar na Toscana.

Mas a história dessa região começa bem antes disso. Há mais de 2.500 anos viviam ali os Etruscos, contemporâneos e aliados dos Gregos Antigos e dos Catarginenses – grandes inimigos dos Romanos, que ocupavam onde hoje é a Tunísia, do outro lado do Mediterrâneo. Os etruscos são advindos provavelmente da Anatólia, onde hoje é a mais ou menos a parte europeia da Turquia. Lendo sobre isso eu pensei “poxa, por que de tão longe?”, mas lembrem-se que o Alexandre, o Grande, já tinha ido lá mexer com esse povo antes (e conquistá-lo). E por ali existia outro império que já tinha provocado os gregos antes, o Persa, do Rodrigo Santoro – longa história…

Toscana
Muralhas e arcos

É importante falar deles porque você ouvirá ou lerá várias vezes durante sua viagem à Toscana que algumas cidades são etruscas, têm museus ou túmulos etruscos. Eles influenciaram a arquitetura romana com seus arcos, alguns ainda de pé nos portões ou muralhas das cidades. Alguma influência também na arte e cultura, por exemplo, foram eles que começaram a plantar oliveiras por ali. Mas se hoje somos povos latino-americanos e o outro povo que habitava a Itália naquela época era o Latino, você pode “deduzir” quem se saiu melhor nessa história.

Nosso roteiro pela Toscana

Nosso roteiro começou saindo cedo de Roma, pra evitar o trânsito, com destino a Pienza. São 187 Km e passa por outro destino importante: Montepulciano. Só que como dormiríamos lá, deixamos mais pro final do dia.

Isso tudo vai se refletir no posicionamento estratégico, na forte presença da Igreja e nas preservadas muralhas de cada cidadezinha que você visitar na Toscana.

Fomos à Pienza só pra passear mesmo, não fizemos nada na cidade. Além de tirarmos fotos do caminho, que fica bem no meio do Val D’Orcia e é cheio das tais Villas enfeitadas com ciprestes de que tanto falei no último post. Belíssimo.

Nosso próximo destino foi uma das extravagâncias da viagem, mas que não posso deixar de recomendar: uma visita ao Castello Banfi, a 14 Km de Montalcino. Uma das vinícolas produtoras do famoso Brunello de Montalcino e diversos outros vinhos premiados, também é um hotel de luxo e tem dois restaurantes, um abre no almoço e outro para o jantar.

Digo que foi uma extravagância pois os valores eram bem salgados. Pra almoçar lá, a refeição com 3 pratos harmonizados com vinhos sai a € 75,00 por pessoa. Há opções com mais pratos, mas com três já saímos “rolando”. Foi uma refeição divina! Apesar dos 3 vinhos, você pode beber o quanto quiser de cada um (ou, o quanto aguentar). Ainda vem um moscatel pra acompanhar a sobremesa e uma grappa pra acompanhar o café.

Se você é do tipo que quando bebe fica rico, ainda vai comprar mais um monte de garrafas na bela ‘lojinha” do local. Esta à esquerda, de pedras:

Toscana-Vinhos-Castello-Banfi

E então, fomos visitar Montalcino. Eu vou te mostrar um pouco de Montalcino, sem falar muito.

Toscana
Dentro desse castelo tem uma Enoteca

É difícil falar da Toscana e conseguir passar por imagens ou palavras o clima, o visual, as cores, a brisa, os aromas, os sons e principalmente as sensações ao viajar no tempo pelas bucólicas ruas dessa cidade..

Toscana
Charmosas casinhas de pedra

Regado a vinho, fica tudo ainda mais legal!

Só indo mesmo.

Torre em Montalcino
Torre em Montalcino

Depois fomos à Montepulciano, a 38 Km – se fizer o caminho direto. Era primavera e os dias terminavam lá pelas 20:00, então rendiam bastante. Ficamos passeando até escurecer totalmente e as ruas ficarem desertas.

Mais uma cidade no alto do monte, charmosa, cheia de enotecas e restaurantes convidativos, toda medieval com portais, muradas, igrejas, construções de pedra enfeitadas por algumas trepadeiras.

Montepulciano

Nos hospedamos bem no centro histórico da cidade, no Hotel Duomo. Uma das atendentes é a Ilana, que fala português!

Uma curiosidade sobre Montepulciano é que lá realizaram algumas filmagens de um dos filmes da série “Crepúsculo”. Inclusive neste hotel. Eu não reconheci nada, só dormi mesmo (no hotel e nos filmes).

Foi muito boa a hospedagem, mas talvez você queira ficar num hotel de agroturismo. São propriedades rurais, uma mistura de fazenda e bed & breakfast. Ficam no meio dos campos. Acho que vale a experiência.

Um site que recomendo pra você pesquisar hospedagens na Toscana é o Tuscany Accomodation. Link aqui.

Te espero no próximo post!

Até a próxima!

Willi

Ah! Já viu meus posts anteriores sobre a Itália? 

Costa Amalfitana, e suas surpresas

Pompéia, uma janela para a história

Sobre Renato Willi

Renato Willi

Meu avô era mecânico de aviões. Meu pai acompanhava meu avô aos aeroportos e via só “gente de cabeça branca” descendo dos aviões. Decidiu que não ia esperar ficar com cabeça branca pra começar a conhecer o mundo e assim seguiu a carreira no turismo, sempre viajando (muito!), como empresário até se “aposentar” – do trabalho, as viagens faz até hoje!

Eu sou o legado deles, fazendo minha parte pra continuar essa história. Adoro viagens, comidas, história, fotografias, paisagens, músicas e andar por aí com a mochila nas costas.

Você pode acompanhar mais minhas andanças por aqui:

https://www.instagram.com/rw1ll1/

https://www.facebook.com/JuntosViajando/

https://www.facebook.com/RenatoWilli31

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *