Se você quiser experimentar a verdadeira Jamaica, mais autêntica e longe dos resorts all-inclusive, rume para Port Antonio. Foi a nossa primeira parada quando chegamos ao país e logo nos encantamos. Que região linda!

Por conta de sua localização meio fora de mão, no nordeste do país, Port Antonio muitas vezes fica fora da rota dos viajantes. O aeroporto de Montego Bay, que recebe os voos da Copa Airlines, cia aérea que viajei, fica distante 3,5h (200km) de Portland. Se você tiver opção de chegar por Kingston vai economizar uma hora de viagem, mas a maioria dos voos que aterrizam na capital vem dos EUA.

De qualquer forma, a distância não deveria evitar sua visita à Port Antonio porque, diferente de Negril e Ocho Rios, por exemplo, esta região do país possui as praias mais lindas do país: menores e escondidas. Além disso tem selvas tropicais, cachoeiras e montanhas verdes exuberantes. Tenho certeza de que você vai adorar Port Antonio. Nesse artigo espero te mostrar e convencer de ir até até lá. Me fala depois nos comentários o que achou.

A pitoresca Port Antonio

Port Antonio é uma pitoresca cidade costeira, tranquila e pequenina que fica no estado de Portland. O centrinho é agitado (mas nada charmoso), com muitas lojas e muitasss pessoas. Experimentamos essa confusão quando estacionamos para comprar o SIM Card na loja da Digicel. O pacote de dados para uma semana custou US$ 17 pra cada celular.

O melhor de Port Antonio está fora do centro, vá para o leste onde estão as melhores praias e a Blue Lagoon.  A estradinha é bem esburacada e sem acostamento, vá devagar. Preferencialmente hospede-se nessa região. No final do artigo dou minha dica.

O que fazer em Port Antonio na Jamaica

Há muitas coisas a fazer em Port Antonio. Além das praias belíssimas, você pode nadar na água mineral da Lagoa Azul, surfar em Long Bay, passear pela Blue Mountain e conhecer as fazendas de café, navegar no Rio Grande em uma jangada de bambu ou explorar as cachoeiras.

É imperdível conhecer a profunda Blue Lagoon como o tom místico verde-jade, combinando um passeio de jangada de bamboo à Monkey Island. Não deixe de conhecer também Frenchman’s Cove que é considerada uma das praias mais bonitas da Jamaica, com uma foz de rio pela areia fina que flui para o mar. Outra praia muito linda é Winnifred, frequentada pelos locais, um ótimo local de imersão na autêntica Jamaica.

A mística Blue Lagoon

Dois fatos curiosos, a blue lagoon nem é azul (quando eu fui estava totalmente verde) e tão pouco é uma lagoa. Ela é, na verdade, uma enseada do mar com água salgada que encontra com as águas doces vindas das Blue Mountains que desaguam ali.

Alguns pontos têm coloração gradiente que podem chegar perto do azul, mas nas duas vezes que fomos a cor estava essencialmente verde, um verde-jade. De fato, acho que tem relação com a indecência e o horário do sol. Alguns pontos chegam a ter profundidade de 60 metros, como a plataforma de free diving.

Para ver a blue lagoon não é preciso pagar, basta caminhar reto até o final da rua sem saída, passando pelos barqueiros que vão insistentemente tentar vender o passeio. Vai lá e volte, o passeio vale a pena.

Desse beco parece que a blue lagoon não tem graça, pra conhecê-la é preciso fazer o passeio em volta dela. O mais legal é fazer isso em uma das clássicas jangadas de bamboo.

Os jangadeiros vendem passeios que combinam a volta na lagoa com uma visita à Monkey Island, uma ilha linda que fica perto. Eles iniciam cobrando 50 dólares, mas se você tiver paciência vai conseguir negociar um bom desconto, a nossa saiu pela metade do preço. Claro tudo depende do movimento, do tempo e da demanda na hora em que você estiver ali. #ficaadica

Nosso passeio foi com o Hillis, muito simpático e educado. Ele me passou o insta dele, caso queiram entrar em contato: @bluelagoontourewithhillis.

Outra opção que eu indico é alugar um caiaque e curtir o passeio no seu tempo. Na própria prainha tem caiaques pra alugar.

As praias mais da Jamaica

Depois dali, pegamos o carro e fomos conhecer as praias. Iniciamos o roteiro por Boston Beach mas o acesso da praia estava fechado. É uma praia que rola ondas boas pro surf. Aliás surfar na Jamaica é um luxo limitado à poucas praias, então aproveite enquanto estiver aqui.

Bom contar que naquela estradinha, quase fantasma, fomos surpreendidas por dois guardas que nos mandaram parar. Com educação, nos solicitaram os documentos, e pasmem, eu tinha deixado tudo no hotel KKK (rindo de nervoso). Nem sei como consegui desenrolar, mas ufa consegui, e eles nos liberaram apenas mostrando foto dos documentos que tinha no celular.

Fomos primeiro à Winnifred, depois SanSan beach e passamos o final da tarde em Frenchman’s Cove. Essa ultima é a mais famosa e realmente faz jus à fama. Acho que foi a praia mais bonita que conheci na Jamaica. Lá pagamos 15 dólares por pessoa para entrar, mas valeu a pena. O local tem uma pequena estrutura de bar e restaurante e ainda alugam cadeira e guarda-sol.

A praia tem formato de ferradura, com vegetação nas duas pontas. Nas costas da praia corre um riozinho cristalino que desemboca no mar.

Perdemos três atrações importantes nos arredores de Port Antonio, infelizmente não deu tempo de fazer tudo. Acabamos não visitando a Reach Falls (fechada às segundas e terças) que ficava aprox 1h distante do hotel, a Somerset Falls, essa ficava mais perto, e o passeio de bamboo rafting no Rio Grande (que deixamos para fazer o rafting no Martha Brae River, perto de Montego Bay, porque pareceu ser mais bonito).

Boston beach, berço da culinária jerk

O prato mais popular da culinária jamaicana é com certeza o “jerk chicken”. Embora sua popularidade tenha alcançado fama mundial, a culinária tem suas raízes em Boston Beach, uma praia ali de Port Antonio na Jamaica.

A história e o modo de cozinhar “jerk” teve origem com os primeiros indígenas da ilha, que ensinaram os escravos africanos, e que depois adaptaram para o “estilo jerk” atual. Na maioria das vezes o jerk é de frango, mas também pode ser de carne de boi, de porco, cabra, javali ou frutos do mar.

O prato, com sabor picante, é pincelado de especiarias e grelhado lentamente no fogo sobre uma grelha na madeira da arvore do pimentão. Dizem que, para o prato ser classificado como um autêntico “jerk”, a carne tem que ser defumada sobre esse tipo de madeira (repare na foto) e que o segredo do sabor do prato vem justamente da fumaça resultante dessa brasa amadeirada.

E olha que legal… A área de Boston Beach, que fica 5 minutos de carro do nosso hotel, é considerada o berço da culinária jerk. Dizem que ali ainda existem poços originais da década de 1940. Hoje o local chama-se Boston Jerk Center, é um local bem simples, mas que se pode experimentar o prato da forma autêntica, defumado na madeira do pimentão. E você ainda poderá aprender mais sobre a história da ilha, enquanto saboreia. Só interagir com o pessoal local, eles gostam de conversar!

Ah! Preparem-se podem te perguntar se você vai querer sua Red Stripe cold or hot? Na dúvida peça gelada! rs

Onde se hospedar em Port Antonio

Nos hospedamos aos pés da prainha que abarca as jangadas que vão pra Blue Lagoon. Melhor localização impossível. A pousada chama-se Moon San Villa. É administrada por um senhor americano que aparentemente mora sozinho e tem umas ajudantes locais que fazem o café da manhã e ajudam na limpeza.

Falando em café da manhã, eles servem ali o tipo universal, com frutas, pães e ovos, e o café da manhã jamaicano que tradicionalmente leva saltfish (um estilo de bacalhau) misturado com uma fruta chamada ackee e temperos. É servido com pão e banana frita. Diria que é bem exótico!

A localização do Moon San Villa é otima, mas não oferece nenhuma refeição, a não ser o café da manhã que eu já contei. Sem carro ali é complicado de se virar. O quarto é ok, de uma forma geral precisa de uma renovação, mas tem um bom custo x benefício se pensar na localização. Eu reservei usando o site do Booking.com através desse link do meu blog. Lembre-se que ao reservar por aqui você paga o mesmo valor e nós recebemos uma pequena comissão que ajuda na manutenção do blog.

Outra dica bem interessante é o Geejam Hotel. Nós o conhecemos através do restaurante que está aberto ao público mediante reserva antecipada. Vale chegar antes do anoitecer para ver a linda vista à frente da piscina de borda infinita. Não chegamos a conhecer os quartos por conta do horário mas fomos muito bem recepcionadas por um dos proprietários que gentilmente nos convidou para conhecer o hotel no dia seguinte. Como a programação estava intensa, prometemos voltar numa próxima oportunidade. Sem dúvida, uma opção muito mais sofisticada, moderna e aconchegante do que a nossa escolha. Fiquei tentada a voltar! E voltaria fácil…. Clique aqui para ver mais fotos e reservar.

Dicas Finais

Duas dicas importantes: se for possível fica no mínimo 2 dias inteiros na região, idealmente 3 ou 4. Primeiro porque tem muita coisa pra conhecer na região e segundo que essa região chove mais pela proximidade com as montanhas. Outra dica importante, não esqueçam os adaptadores de tomada universal pois as tomadas da Jamaica têm um padrão diferente do nosso.

Espero que tenham adorado as dicas de Port Antonio na Jamaica! Qaulquer duvida deixem um comentário aqui abaixo que terei prazer em responder.

Obrigada pela visita, voltem sempre!

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *