Petra

Conhecer Petra sempre foi um sonho! Um lugar único no mundo, uma das 7 novas maravilhas do mundo, e Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Venerada por arqueólogos e historiadores, Petra também é um grande destino para exploradores que buscam aventura e história. Desvende aqui os segredos e dicas de Petra.

Petra-Jordania-historia - 1 (16)

Minha oportunidade de conhecer Petra aconteceu durante a viagem ao Egito e Mar Vermelho. Tinha somente um 1 dia para fugir do roteiro e encaixar um bate-e-volta a Petra. Nem pensei duas vezes!

Petra é o principal destino turístico da Jordânia e um dos mais importantes do Oriente Médio, um daqueles lugares que tiram o fôlego de qualquer um. A Jordânia fica numa região desértica, conhecida pelo seu clima quente e seco. Petra, em árabe الخزنة, ou “pedra” em grego, está situada na fronteira de uma planície árabe com grandes massas de terra movediças, e portanto uma região sujeita a terremotos.

Petra

A cidade perdida ainda preserva imponentes templos e tumbas esculpidos na rocha pelos Nabateus, um povo nômade originário das Arábias.

Na região há um antigo caminho beduíno, que parte de Dana até Petra, que foi considerado pela National Geographic Traveler como um dos melhores trekkings do mundo! São 7 dias atravessando o Vale de Wadi Araba, passando pelo deserto de Wadi Rum, em 80 km de caminhadas. Programe-se para fazer a travessia de Outubro a Abril quando as temperaturas são mais toleráveis no deserto.

Explorando Petra

Você pode visitar os templos, palácios, túmulos e o anfiteatro romano. A aventura começa nos Siqs, um desfiladeiro belíssimo, muito cumprido e estreito com paredões que chegam a ter mais de 80m de altura e larguras que variam entre 3 a 12 metros.

O Tesouro

O desfiladeiro tem mais ou menos 1200 metros de extensão, e ao final está o fabuloso “Tesouro”, certamente o mais conhecido e fotografado templo de Petra. Demoramos uns 40 minutos de caminhada até chegar lá. E de repente, o canion chega ao fim… Ali está o Tesouro!

Petra

Há diversas hipóteses para a verdadeira finalidade deste templo, sendo a mais aceita de que sua fachada foi escavada e esculpida para abrigar o mausoléu de um importante rei. Os nabateus, assim como os egípcios, acreditavam na vida após a morte e construíam templos encravados nas rochas. Isso para reis, ricos e outras grandes figuras da sociedade da época, pois os pobres eram enterrados em buracos simples nas rochas.

Petra

A fachada, que está muito bem preservada, foi esculpida num paredão de arenito rosa-avermelhado de mais de 30 metros de largura e 43 metros de altura. Interessante é que quase todas as fachadas em Petra são só fachadas mesmo, sem profundidade.

O nome vem da lenda que um faraó egípcio escondeu em Petra um tesouro, que os beduínos acreditavam estar no topo do templo Al Khazneh.

Petra

Monastério

Outro templo que vale sua visita é o Monastério, bem mais longe, mas a vista que se tem do é alto espetacular. Foi construído como um templo ao rei Obodas I – século I a.C., e depois convertido em um monastério por monges durante o período Bizantino. É maior ainda que o Tesouro, medindo 50 metros de largura x por 50 de altura.

Do alto se vê toda a paisagem por onde tantas civilizações passaram em suas rotas de comércio.

O anfiteatro é uma cópia fiel de um teatro grego romano. Em formato circular, foi construído no século I d.c. para abrigar uma plateia de 3 a 5 mil espectadores.

Petra

Os nabateus, como mestres da engenharia, construíram um impressionante sistema hidráulico. Àquela época já contavam com uma completa rede de cisternas, represas e canais de água cortados em penhascos.

Petra

História de Petra

Apesar de toda sua rica história, Petra ficou famosa mesmo depois que apareceu no filme “Indiana Jones e a Última Cruzada” em 1989.

Foi uma das cidades mais importantes do Oriente Médio, entre os séculos 6 a.C. a 106 d.C. Os Nabateus a declararam sua capital por volta do ano de 312 a.C em função de sua localização estratégica. Por ali passavam caravanas que transportavam incenso, mirra e especiarias entre a Península Arábica e Damasco (atual Síria). Além do motivo comercial, também acreditavam que o local era protegido por Deuses.

Petra

Petra que chegou a ter 30 mil habitantes em seu apogeu! Até que no século I foi invadida e dominada pelo general Pompeu do Império Romano, que obrigou os nabateus a pagarem impostos ou a voltar a viver como nômades no deserto.  Foram os romanos que deram uma nova arquitetura à cidade, construindo colunas, fachadas, portas em arcos e os banhos coletivos.

Entre os séculos 4 e 6, terremotos atingiram a região e destruíram praticamente toda a cidade, obrigando uma alteração na rota comercial. E assim Petra ficou esquecida… Perdeu-se no deserto por muitos e muitos anos, até que em 1812, um arqueólogo suíço chamado Johan Ludwig Burckhardt a redescobriu.

Petra

Johan, que havia ouvido falar sobre as fantásticas ruínas, chegou a morar meses no deserto em busca de Petra. Converteu-se ao islamismo e teve que se disfarçar para driblar a desconfiança dos beduínos que eram os únicos que sabiam chegar a Petra.

Arqueologia

Após a descoberta muitas escavações e excursões de arqueologia foram feitas na região. Mas há ainda muito o que se descobrir desta parte da história mundial ainda está debaixo da terra.

Recentemente arqueólogos encontraram um monumento gigantesco construído no século II antes de Cristo, quando a cidade estava em seu auge. Segundo eles, é algo completamente diferente! Historiadores acreditam ser uma plataforma cerimonial, com o comprimento de duas piscinas olímpicas (cerca de 100 metros). Os pesquisadores usaram imagens feitas por satélite e drones para encontrar o monumento.

Petra

Como chegar em Petra

Petra está localizada na Jordânia, um país no meio do Oriente Médio, cercada por uma vizinhança complicada… Por ali estão Síria, Arábia Saudita, Iraque e Israel. A Jordânia, além do Egito, é o único país que tem um acordo de paz com Israel.

Não há um aeroporto internacional em Wadi Musa, a pequena cidade em torno de Petra. Então provavelmente você chegará vindo de Amam, a capital da Jordânia, que apesar de ter um aeroporto internacional não tem voo direto do Brasil. Eu vim do Cairo pela Royal Jordanian Airlines.

De Aman até Wadi Musa, onde está Petra, são aproximadamente 3 horas de viagem (240 km de distância). Percorri a estrada na companhia do guia contratado pela empresa Activa Egypt Tours, do Cairo. Na minha opinião é essencial ter um guia para conhecer melhor o local e sua rica história.

O visto pode ser obtido ao chegar no país, apresentando seu passaporte com no mínimo seis meses de validade, e pagando uma taxa em dinares jordanianos, a moeda local.

Petra

Mas você pode alugar um carro e cruzar a Rodovia do Deserto até Petra. Ou contratar um táxi. O ônibus também é uma opção porem mais demorada, sai da estação de Wahadat (Duwaar Sharq al-Awsat, Círculo do Oriente Médio).

Chegar por Aqaba, no mar vermelho, ao invés de Aman, é a opção mais rápida. A distância é de 130 km até Petra, em mais ou menos uma hora e meia de viagem.

Quanto tempo ficar e melhor época de ir

Indico reservar 2 dias inteiros para explorar Petra. Esse tempo é suficiente para percorrer e explorar todo este sítio arqueológico, um dos mais importantes do mundo. Mas claro isso depende do seu interesse em história e arqueologia. Algumas tumbas e templos se encontram no alto, será preciso encarar subidas para conhecer o local.

O clima é bem quente, sobretudo no verão ( junho a agosto), quando as temperaturas médias alcançam facilmente os 35 graus. Melhor visitar a cidade na primavera ou outono, quando as temperaturas são mais agradáveis. Evite o inverno, entre dezembro e janeiro, quando as temperaturas mínimas médias batem perto do zero grau.

Petra

Ultimas dicas de Petra

Esteja em boa condição física para aguentar grandes caminhadas sob o calor do deserto. Quem não quiser atravessar o Siq a pé, pode ir a cavalo que são alugados na entrada do parque.

Ingressos são adquiridos à entrada no centro de visitantes, onde encontrarão lojinhas vendendo souvenirs a la Indiana Jones.

Use roupa confortável, boné, óculos e calçados adequados para caminhar durante horas. E dependendo da época um casaco porque a temperatura cai bastante depois que o sol se põe.

Leve bastante água! Se precisar comprar mais, dentro das ruínas há um acampamento beduíno que vende bebidas e lanches.

Se passar a noite em Wadi Musa, não perca o Petra by night, evento que ilumina o Tesouro com velas, realizado toda segunda, quarta e quinta.

Gostaram das dicas de Petra? Deixe um comentário aqui.

Boa Viagem!

Viagens e Outras Historias

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *