Délhi é a principal porta de entrada na Índia, uma capital excêntrica, repleta de contrastes, que ainda combina os valores tradicionais de Old Delhi com a vida moderna em New Delhi. Há muito o que fazer em Delhi. Os mais de 4 mil anos de história deixaram um legado arquitetônico exuberante. Conto nesse artigo o que fazer pela capital da Índia.

+ Leia aqui meu roteiro completo no Triângulo Dourado da Índia

New Delhi vs Old Delhi.

Primeiro é importante entender que Delhi é dividida em duas: a cidade velha chamada de “Old Delhi” e New Delhi, que é a parte mais moderna, e, que apesar de se chamar “Nova Délhi”, tem mais de 100 anos. Ambas as partes devem ser exploradas e estão aqui na minha lista de o que fazer em Délhi. Dividir seu tempo entre as duas ajudará a você entender melhor a complexa história dessa cidade.

A velha Delhi foi estabelecida na Dinastia dos Mughals, pelo imperador Shah jahan em 1639. O charme de Old Delhi se encontra na agitação de suas ruas estreitas e caóticas.

Nós conhecemos o centro velho num “city tour” de riqueshaw, aquela bike tipo triciclo. Um passeio imperdível onde se tem oportunidade de ver o comercio local, as lojas dos famosos artigos de casamento indiano, um mercado de especiarias e vários monumentos como o Red Fort que rodeia um palácio mongol do século XVII, o Raj Ghat Samadhi onde foi incinerado o corpo de Gandhi e a Jama Masjid, a maior mesquita da Índia.

Em comparação com o labirinto de ruas estreitas, Nova Delhi é uma área espaçosa com avenidas largas, projetada pelos britânicos. É nessa área, com grandes boulevares arborizados e parques com lindos jardins, que fica a sede do governo, a casa do presidente e a área das embaixadas. Ali também estão os principais hotéis. Uma atmosfera totalmente diferente de Old Delhi.

+ Confira aqui todas as dicas de Jaipur

O que fazer em Delhi

Em Delhi há milhares de monumentos que foram construídos ao longo de séculos e séculos de história. Tive oportunidade de visitar muitos deles como Qutab Minar, Red Fort, Mesquita de Jama Masjid, Lotus Temple, Gandhi Smriti, Raj Ghat, Akshardham Temple, Humayun’s Tomb, o templo sikh Gurudwara Bangla Sahib e o India Gate. Conto com mais detalhe sobre cada um deles abaixo.

Qutub Minar

Logo que chegamos fomos conhecer Qutub Minar que fica no sul de Delhi, relativamente perto do aeroporto.

O complexo Qutub é um conjunto de monumentos, cheio de exemplos de arquitetura e design Indo-Islâmico. É lá que está o minarete de tijolo mais alto do mundo, declarado Patrimônio Mundial pela Unesco em 1993. O Qutb Minar mede 72.5 metros de altura e seu diâmetro de base mede 14.3 metros.

O minarete recebe o nome de um sultão de Delhi, o Qutb-ud-Din Aibak, que iniciou sua construção em 1193 dC. Foi erguido para comemorar a vitória do império de Ghorid sobre a disnastia dos Rajput e marca o início da conquista islâmica na India. O general Aibak se tornou o primeiro governante islâmico do Norte da Índia.

A torre medieval possui cinco andares, mas Aibak só pôde terminar o primeiro andar durante sua vida. A construção foi continuada por seu sucessor Iltutmish, que acrescentou mais três andares. O andar final foi adicionado por Firoz Shah Tughlaq em 1368 dC. Lindíssimas esculturas cobrem sua superfície.

O complexo Qutab também abriga a mesquita Quwwat-ul-Islam, a primeira mesquita a ser construída no norte da Índia. Lá também está o túmulo do sucessor de Aibak, Iltutmish.

+ Clique aqui para conhecer a história do Taj Mahal

Lótus Temple

Depois seguimos para Lótus Temple que é famoso em todo o mundo por seu projeto arquitetônico. Projetado pelo arquiteto Fariburz Sahba em 1986, o templo tem a forma de um lótus gigantesco com 27 pétalas de mármore branco. Possui nove portas, como os outros templos da religião que existem pelo mundo, que se abrem para um salão central com aproximadamente 40 m de altura e capacidade para mais de 2 mil pessoas.

É um templo da religião Bahai que enfatiza a união espiritual de toda a humanidade. Por isso o templo é aberto para todas as religiões. A doutrina Bahai acredita na unidade de Deus, que há apenas um Deus, na unidade da religião, e na unidade da humanidade. Para eles todos os seres humanos foram criados igualmente e a diversidade racial e cultural deve ser apreciada.

A entrada é gratuita e abre de terça à domingo do nascer do sol até o pôr do sol.

Gandhi Smriti

No mesmo dia, depois de um banho no hotel, ainda fomos conhecer a casa onde Mahatma Gandhi passou os seus últimos dias de sua vida e foi assassinado em 30 de janeiro de 1948. Era um dos locais que eu mais queria conhecer em Délhi.

A casa pertencia à Ghanshyam das Birla, um empresário indiano pioneiro que fundou indústrias nos setores têxteis, alumínio, cimento e químicos. Ele era muito próximo de Mahatma Ghandi e ajudou-o ativamente na luta pela liberdade da Índia. Foi nessa casa, em Deli, que eles se encontravam muitas vezes para conspirarem pela luta pacífica em pról da liberdade da Índia. Os Birlas venderam esta casa ao governo, para que fosse aberta ao público, e ganhou o nome de Gandhi Smriti.

O casa abriga vários artigos associados à vida e à morte de Gandhi. São fotografias, esculturas, pinturas e relíquias pertencentes aos anos que Mahatma Gandhi passou aqui. Visitamos a casa, o quarto onde Gandhi viveu e o local onde ele foi baleado. Tudo preservado como era naqueles dias. 

Raj Ghat, Memorial de Mahatma Gandhi

Infelizmente não pude visitar esse memorial porque estava ocorrendo uma manifestação no local e a polícia fechou a entrada, mas inclua na sua lista de o que fazer em Delhi. Trata-se do local onde estão as cinzas de Mahatma Gandhi. Foi ali que Gandhi foi cremado. O local, localizado nas margens do rio Yamuna, tambem abriga restos mortais de outros importantes líderes indianos.

Mesquita Jama Masjid

No segundo dia fomos dar uma volta de riquishaw pelas ruas de Old Delhi e tivemos a oportunidade de conhecer a maior mesquita da Índia. O grande pátio tem capacidade para 25 mil pessoas. Foi construída em 1656 pelo mesmo imperador que encomendou o Taj Mahal e o Red Fort, o Imperador Mughal Shah Jahan.

Para entrar na mesquita é necessário estar com o corpo todo coberto e sem sapato. Eles emprestam uma espécie de capa que você vê nas fotos. Vá de meia para evitar pisar direto no chão sujo. Repare na grandiosidade de sua arquitetura. São três cúpulas em mármore com dois minaretes imponentes.

A entrada é grátis mas eles cobram 300 Rúpias para conceder o direito à fotos e o empréstimo do capa e guarda dos sapatos. Vale a pena, muito lindo.

Red Fort

Bem perto da Jama Masjid está o Red Fort que foi construído durante o reinado do imperador Shah Jahan, com o propósito de impedir invasões durante o século XVII. O complexo é contornado por muralhas de arenito vermelho de 16 a 33 metros de altura e 2,5km de extensão.

O Red Fort está na lista da Unesco como Patrimônio Mundial. Infelizmente não pude entrar porque era segunda-feira, dia que a maioria dos monumentos em Delhi está fechado. Fiquei triste, mas me consolei sabendo que iria conhecer o Red Fort de Agra e o Amber Fort em Delhi. Fique atento aos dias quando for organizar seu roteiro e a lista de o que fazer em Delhi.

+ O que você acha dos elefantes no Amber Fort em Jaipur?

Humanyu’s Tomb

O túmulo de Humayun é mais um patrimônio cultural da Unesco na Índia. Foi um dos locais que mais me encantei em Délhi.

Construído em 1570 para conter o corpo do segundo imperador Mughal Humayun, o local serviu de inspiração para a construção do Taj Mahal. Esse foi o primeiro edifício desse tipo a apresentar esse estilo de arquitetura. Muitos outros surgiram depois por todo o país, mas este é o original. Foi a primeira esposa do imperador que encomendou a construção da tumba em 1565 dC que só foi concluída em 1572 dC.

Tão suntuoso quanto o Taj Mahal, o local abriga mais de 150 sepulturas, todos governantes e membros da dinastia Mughal.

Os detalhes que podem ser vistos na estrutura são impressionantes. Repare nos jardins (chaharbagh) de quatro partes que vem do estilo persa cercado por canais de água. O mausoléu está proporcionalmente localizado no centro e é coberto por uma cúpula dupla. Todas as janelas são cobertas por uma tela geométrica esculpida cortada de um único pedaço de pedra.

O Humayuns Tomb é gerenciado pelo Departamento Arqueológico da Índia, com entrada cobrada (600 rupias). Reserve pelo menos 2 horas para explorar o local com calma.

India Gate e o Parlamento

O India Gate é o “Arco do Triunfo” da Índia, também chamado de All India War Memorial. Foi construído para homenagear os soldados indianos e britânicos que perderam suas vidas lutando na Primeira Guerra Mundial.

É um local de bastante assédio por ambulantes, mas é uma visita rápida que pode ser conjugada com a visita ao Parlamento Indiano e a Casa do Presidente.

A Casa do Parlamento é um dos edifícios mais impressionantes de Nova Délhi. Seu salão central, de forma circular, é considerado a parte mais importante do edifício, pois foi ali onde a Constituição da Índia foi redigida.

Gurdwara Bangla Sahib, Templo Sikh

Esse magnífico templo de mármore branco fica na área Connaught Place. Foi construído no local onde o oitavo guru sikh, Harkrishan Dev, viveu antes de sua morte em 1664. O guru, com seis anos de idade, atendia às vítimas da epidemia de cólera e varíola de Délhi.

O sikhismo é uma religião monoteísta fundada pelo Guru Nanak no fim do século XV numa região entre o Paquistão e a Índia. Sua doutrina consiste na crença de um único Deus e nos ensinamentos dos Dez Gurus, recolhidas no livro sagrado que é guardado no salão principal do templo. A fotografia é proibida dentro do templo onde são tocadas músicas devocionais ao vivo. Na parte externa tem um grande lago chamada Sarovar com águas que dizem ter poderes curativos.

Você precisará tirar os sapatos antes de entrar no templo (há um local onde você pode guardá-los). Não pode meia, você terá que ir descalço mesmo para lavar os pés antes de entrar.

Além disso é obrigatório cobrir a cabeça com uma espécie de lenço que lembra um turbante. É que para os Sikhs o cabelo é sagrado e não é cortado nunca. Para preservá-los eles usam o turbante. É uma caraterística dos homens da religião Sikh que usam o turbante como forma de proteger os fios das impurezas do mundo.

Um dos pontos altos é a visita de sua cozinha comunitária, onde mais de 10.000 refeições são servidas todos os dias para pessoas de todas as castas, religiões e idades. Todos são bem-vindos a fazer uma refeição no templo Sikh.

Akshardham Temple

Esse lugar é simplesmente esplendoroso e não pode faltar de jeito nenhum na sua lista de o que fazer em Delhi. É o maior templo hindu do mundo e a atração mais visitada em Nova Delhi. Recebe mais de 5 milhões de visitantes todos os anos. Uma pena que não pode entrar com câmera de fotografia, pois foi um dos templos mais lindos que visitamos.

O prédio principal tem 40 metros de altura e 110 de comprimento. A fachada é toda esculpida em arenito rosa com figuras de elefantes, aves e divindades hindus.

Lá dentro, perto da cafeteria, tem um fotografo que tira uma única foto sua com o templo ao fundo. A fotografia é paga, impressa e entregue 10 minutos depois. O templo fica de 9:30 até às 18:30 horas e fecha às segundas-feiras. A entrada é gratuita.

Espero que tenham gostado das minhas dicas de o que fazer em Delhi. Se tiver qualquer dúvida, só deixar um comentário aqui abaixo.

Obrigada pela visita, volte sempre!

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *