Piedra del coyote

Tudo começou no início de 2015 quando um amigo e eu resolvemos fazer um mochilão para fora do país, contudo, não tínhamos ainda um destino certo. Pouco tempo depois, um conhecido me falou que fez uma viagem para 3 países da América do Sul e que tinha ficado super em conta. Ao ouvir isto, abri um sorriso de orelha a orelha, quem não gostaria de viajar para fora do Brasil gastando pouco, não é mesmo? Foi aí que decidimos fazer o mesmo trajeto, sendo este para o Chile, Bolívia e Peru. 

Ponto de Partida

Tendo o destino definido, começamos a juntar dinheiro e buscar informações acerca dos países e lugares que passaríamos. Ao todo a viagem duraria 25 dias, sendo o primeiro destino Santiago – Chile.

Logo quando chegamos a Santiago (Chile), fomos direto procurar um táxi para nos levar até o local que iríamos ficar. Ao encontrarmos o táxi ele logo perguntou qual era o destino. Entendemos a pergunta, mas não sabíamos como responder para ele, pois o nosso espanhol não era um dos melhores. (Eu tive a oportunidade de conhecer a Espanha durante um mês, e com isso consegui aprender um pouco do espanhol, mas não foi o suficiente. Falarei mais sobre a Espanha em outro post). Acabou que conseguimos orientar o taxista até o local que precisávamos ir.

Ficamos hospedados na casa de uma moça muito simpática. Seu nome é Susana e ela mora no bairro “Província”. Consegui o contato pelo Airbnb (se você ainda não conhece, vale a pena procurar). Paguei aproximadamente R$ 25,00 a diária. 

Bem vindos ao Paraíso

Em Santiago, pude visitar o Costanera Center, onde também está o mirante mais alto da America latina, o Sky Costanera. Ao meu ver, vale muito a pena ir até lá, custa 4.000 pesos chilenos, equivalente a mais ou menos 20 reais. Na Cidade tem muita coisa para se fazer, porém, como não tinha me programado, acabei não fazendo muita coisa.

 Tenho uma amiga chilena que trabalha com turismo na empresa GO TO CHILE TRAVEL. Você pode encontrar muitas dicas legais sobre o que fazer por lá. Confesso que fiquei com muita vontade de fazer Rafting no Rio Maipo, me pareceu sensacional, mas infelizmente não tive tempo. 

Ficamos em Santiago três dias, e logo depois fomos para Calama, uma cidade distante da capital. Para não perder muito tempo, fomos de avião, pagamos 75.000 pesos, equivalente a mais ou menos R$ 350,00 (de ônibus era bem mais barato, porém demoraria 24h, o que não me deixou muito animado haha). 

Chegando em Calama, pegamos uma van chamada transvip, no próprio aeroporto, até San Pedro do Atacama e fomos direto para o hotel que reservei, usando também o aplicativo Airbnb. (Paguei na van o valor de 10.000 pesos por pessoa, aproximadamente R$ 50,00.

 

Transvip

Fizemos vários tours em San Pedro, pois ficamos quatro dias na cidade.

san pedro do atacama

O tour que eu mais curti, foi Piedras Rojas, pois a paisagem é sensacional.

Pedras rojas

Piedra del coyote 

Uma aventura no deserto

Após os quatro dias no Atacama, fechamos um tour para o Uyuni – Bolívia no valor de aproximadamente R$ 400,00, e valeu muito a pena, apesar do frio pesado. Fechamos todos os tours em San Pedro do Atacama na agencia Inca North.

incanorth

Pensa no frio mais pesado que você já pegou, pensou? Agora coloca esse frio no meio do deserto, pois é, foi isso que eu encontrei hahaha. Pegamos -20 no deserto durante a madrugada, e isso era de congelar os dedos. 

atacama

atacama bolivia

A viagem até o Uyuni durou três dias com paradas para dormir e almoçar/jantar (que estão inclusos no pacote). Durante o trajeto, pude ver lhamas, para quem não sabe, é um mamífero ruminante da América do Sul, da família dos camelos. Na última parada, ficamos no famoso hotel de sal, (também incluso).

 Você deve ter se perguntado “porque hotel de sal?” É este mesmo o motivo, o hotel era “todo” de sal, paredes, chão, camas, etc., simplesmente fantástico! O segundo andar não era de Sal, e infelizmente foi o único lugar que eu tirei foto. Como não possuo foto do hotel de sal, além da mencionada, sugiro procurar no Google por “hotel de Sal Bolívia”.

hostel-mochilao

Saindo do Hotel de sal, fomos para o Uyuni, na Bolívia, que é considerado o maior deserto de sal do mundo. Ficamos no deserto pouco tempo, mas o suficiente para tirar fotos sensacionais. Este trajeto é feito durante a madrugada, sendo possível pegar o nascer do sol no meio do deserto. 


salar de uyuni bolivia

salar-de-uyuni-bolivia-miniatura

No limite do amanhã

Por fim, chegamos em Lá Paz depois de 10 horas de ônibus, saindo do Uyuni, o qual me custou 130 bolivianos, aproximadamente R$ 65,00. Ficamos em um hostel e pagamos R$ 35,00 a diária. Recomendo ficar no Hostel Loki, tem um preço bom, e o lugar é bem agradável! Tentei me hospedar lá, contudo não tinha vaga.

Fiquei sabendo do hostel loki através de recomendações de outras pessoas que tive a felicidade de conhecer durante a viagem. Um outro amigo também já tinha se hospedado em uma das outras unidades pela América do Sul.  

Chegamos no hostel às 6:00 da manha e fomos direto na recepção perguntar sobre a estrada da morte (que era a única trilha que faríamos em Lá Paz, e logo depois iríamos para Cusco no Peru). 

Quando perguntamos, o recepcionista nos informou que tinha uma turma indo as 6:30, e que ainda dava tempo de nos inscrever. Adivinha o que fizemos? Sim, fomos fazer a estrada da morte sem dormir, haha.

A trilha é muito top, ela é feita de bicicleta na parte da manhã, e você percorre aproximadamente 55 km. Não é muito cansativo, considero uma trilha moderada, pois como em sua maioria o trajeto é ladeira a baixo, não exige muito do corpo.

No início da trilha você começa na rua asfaltada, junto com os carros (o que é bem tranquilo, desde que não seja imprudente). Logo depois começa a trilha na estrada de chão, que é muito de boa também. 

Durante toda o percurso existem paradas para lanche e descanso. A empresa contratada fornecia lanche e água, então não precisei me preocupar com isso! (O próprio hostel já te indica a empresa de turismo, então é bem tranquilo, não é necessário sair procurando pela cidade).

amigos-de-viagem

Os guias são bem atenciosos, dispostos a ajudar com qualquer problema! Tem sempre uma Van atrás para dar suporte técnico, ou se caso a pessoa queira desistir (que não vai ser o caso de você que está lendo, não é mesmo? Haha)

As bicicletas são boas e existem dois tipos, uma com amortecedor dianteiro e outra com amortecedor traseiro e dianteiro! Eu usei a com amortecedor dianteiro porque era mais barato… Mas sofri um pouco com pancadas na parte traseira, se é que você me entende haha! Então recomendaria a bicicleta com amortecedores nos dois eixos! 

Eu paguei 330 bolivianos para fazer a trilha, e mais 50 bolivianos para entradas nos “parques”. Ou seja, deu um total de 380 bolivianos, que corresponde a aproximadamente 190 reais!

estrada-da-morte-bolivia

Fim da Linha

Faltando 5 km para terminar a trilha, eis que o pior acontece… Fui filmar com a Gopro segurando ela na mão enquanto pedalava (conselho: nunca faça isso) e aconteceu um acidente. Comecei bem devagar, porém com o tempo, fui adquirindo confiança. Com isso não percebi que a minha bicicleta passaria por uma pedra, e assim eu perdi o equilíbrio e cai. A sorte foi que eu caí para o lado direito da trilha, pois o lado esquerdo é um precipício. 

Após a queda, logo vieram duas pessoas para ajudar, um francês falando em inglês, que infelizmente não é o meu forte, e uma Canadense, que falava espanhol. A canadense me ajudou a levantar e perguntou se eu estava bem, respondi que sim, porém estava com bastante dor no joelho direito. 

Quando olhei para frente percebi que dava para terminar a trilha, já que não era necessário pedalar, pois só faltava uma descida. 

Chegando ao local de encontro, passaram-se 10 minutos e eu comecei a sentir muita dor. Meu joelho estava muito inchado, a ponto de não conseguir mais andar direito, e precisar de ajuda. Voltei para o hostel com muito custo, porém com o seguinte pensamento “deve ser apenas uma luxação, que ocorreu por causa da pancada”. 

Ao acordar no dia seguinte, não aguentava de dor. A dor foi tanta que eu fui para o hospital, onde recebi a noticia que não queria: “sua viagem termina aqui”. 

Fui em dois hospitais públicos, porem eles não me atenderam… Falaram que não se tratava de atendimento urgente, sendo assim, eu teria que marcar uma consulta. Seria atendido uns 4 a 5 dias depois, o que era inviável. Por fim, fui a um hospital particular, chamado Centro Médico Internacional Hope, o qual possui um excelente atendimento e um ótimo preço. 

Constatou-se lesões sérias no joelho, tais como; derrame, edema ósseo, condropatia patelar além de problemas com o menisco. Voltei para o hostel muito triste, e logo avisei para o meu amigo que não poderia mais seguir viagem. Era o fim da minha viagem pela América do Sul, quando tive que procurar passagem de volta para o Brasil. 

joelho

Você deve estar se perguntando, “ele não tinha seguro viagem?” na verdade eu tinha, porém ele não cobria esporte de aventura, por isso tive que resolver tudo na “raça”. 

Após 5 dias eu estava de volta ao meu país, com muita dor no joelho, mas com muita alegria pelas memórias dessa viagem. Conheci diversas pessoas de todo lado do mundo, além de vivenciar experiências fantásticas.

Essa é minha pequena grande aventura pela América do Sul. Infelizmente, ela não terminou como o esperado, porém espero um dia retornar e completa-la com êxito. Caso tenha alguma dúvida, deixe seu comentário, iremos responder com prazer. 

Obs: Todos os títulos dos tópicos são nomes de filmes que assisti, recomendo todos, em especial o “Em busca de um caminho”.

perfil vinicius viana

Vinicius Aguiar Viana

Amante de montanhas

Formado em Administração de empresas pela PUC minas Associado do World Adventure Society

Facebook: https://www.facebook.com/viniciusaguiar.viana

Instagram: Vinicius.Viana

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *