Sabemos que a Índia é um país de cultura milenar, rica e excêntrica. Isso porque essa civilização, cheia de costumes peculiares, recebeu, com o passar dos séculos, várias influências. É uma das civilizações mais antigas da história e temos muito o que aprender com ela. Nesse artigo vamos desvendar a cultura da Índia, esse país único no mundo. Li em algum lugar e concordo: “India is not a vacation, its a life learning experience”!

+ Clica aqui para saber o que esperar de sua viagem à Índia

A cultura da Índia

Em poucas viagens aprendi tanto sobre história e cultura local como na Índia. Sem dúvidas, entrar em contato com algo novo é uma das minhas maiores alegrias ao viajar. Entender a história também ajuda a entender sua cultura, e muda a nossa percepção e entendimento dos costumes e comportamentos do lugar. Preparem-se que a troca será certamente intensa e marcante!

Nesse artigo conto um pouco sobre o que aprendi da cultura da Índia com relação à religião e espiritualidade dos indianos, ao sistema de castas, o casamento, a gastronomia, as vestimentas, as festas, músicas e danças. Pra começar, quero falar do povo indiano.

Um povo querido

É gente pra todo lado, estima-se que a Índia tenha hoje aprox. 1,2 Bi de habitantes, tornando-se o segundo país mais populoso (e o sétimo maior em território). Segundo estimativas da ONU, antes mesmo de 2028 ela ultrapassará a população da China!

Tive a sorte e a oportunidade de conviver por uma semana com o Khan que nos guiou pelo roteiro do triângulo dourado na Índia. Muito simpático, educado e gentil, não mediu esforços para nos mostrar o melhor em nosso roteiro. Essa convivência nos fez conhecer um pedacinho da Índia e um povo sorridente e gentil.

E curiosos, principalmente com quem tem aparência diferentes deles. As loiras fazem muito sucesso por lá. Viajei para Índia com minha filha Duda e ela foi muito abordada por crianças e adolescentes que queriam tirar fotos com ela o tempo todo. Eles têm muito interesse e curiosidade. Toda abordagem muito educada, é preciso dizer. Alguns rapazes chegaram a pedir fotos com ela também, mas em menor número, porque o governo proíbe os homens abordarem as turistas estrangeiras.

As religiões na Índia

Religiosidade e fé são muito fortes na Cultura da Índia. Embora mais de 80% dos indianos sigam o Hinduísmo, há muitos seguidores do budismo, islamismo, jainismo, siquismo e até o cristianismo. A Índia sem dúvida é um caldeirão religioso, difícil de encontrar outro país assim.

De acordo com o último censo indiano, a segunda religião com mais adeptos, o Islamismo, é seguido por 15% da população. Em terceiro lugar vem o Budismo.

Na viagem tive a oportunidade de visitar vários templos e me aproximar um pouco mais de diferentes religiões. Me impressionou muito o Templo de Lótus que é uma Casa de Adoração Bahá’í, o templo Gurdwara Bangla Sahib, da religião Sikh e o Akshardham Temple que é hindu. Escrevi mais sobre cada um desses lugares nesse artigo aqui. 

Espiritualidade na cultura da Índia

Seja pela diversidade de crenças ou pela forma como eles levam a sério a religião, a espiritualidade é uma das características mais marcantes dos indianos, que definitivamente faz parte do dia-a-dia deles. O povo indiano tem o costume de fazer peregrinações e atos de adoração que envolvem oferendas de incenso, flores e frutos aos deuses, além dos rituais de cremação e celebrações de vida e morte. Um dos mais chocantes consiste em ir até ao rio Ganges para jogar as cinzas de seus mortos, o que, de acordo com a crença da Índia, assegura o descanso eterno dessas almas.

viagem a Índia

Muitas pessoas viajam para a Índia também para melhorar a prática da yoga e meditação. Um dos lugares mais buscados é Rishikesh, no norte do país, bem pertinho da cordilheira dos Himalaias. A cidade que é considerada sagrada pelos hindus e conhecida por ser a capital mundial da ioga, está à beira do Rio Ganges, e tem dezenas de escolas que oferecem cursos de aperfeiçoamento, formação de professores e aulas de yoga para iniciantes. Os ashrams são, além de uma opção de hospedagem, com aulas, acomodação e refeições, locais de orações e mantras poderosos e divinos – praticados por boa parte dos indianos.

Os Deuses Hindus

O Hinduísmo, principal religião na Índia, é politeísta. Isto quer dizer que há um número incontável de deuses e deusas adorados por eles. Imagina que contam mais de 30 milhões divindades diferentes. Chamados de Devi e Deva, muitos desses deuses são avatares da Trindade Hindu que é formada pelos imortais Brahma, Vishnu e Shiva.  

A trindade representa a relação cíclica de destruição, criação e conservação:

  • BRAHMA é o deus criador do cosmos e de todos os seres vivos. É o primeiro da Trindade Hindu, deus da criatividade e do intelecto. Ele é representado com quatro rostos e 4 mãos que seguram um rosário, um vaso de água, um livro e um lótus.
  • VISHNU é o deus responsável pela manutenção do Universo, a segunda divindade da trindade hindu. Esse deus é responsável pela preservação, mantendo o universo e a vida, e sustentando-as por meio dos princípios da ordem e da verdade. Por isso, ele é responsável por manter o dharma, que é o comportamento digno e justo dos homens. Seus quatro braços representam a onipotência e a onipresença, por isso ele é frequentemente visto sentado em cima de uma serpente. Isso simboliza a capacidade de permanecer em paz mesmo diante do medo.
  • SHIVA é o terceiro deus da trindade hindu, o deus destruidor, que destrói para criar algo novo. Enquanto Brahma cria e Vishnu preserva, Shiva vai destruir tudo para que o ciclo esteja em eterno movimento. É a representação da morte e da dissolução, mas também é conhecido como o deus “transformador”, que protege seus seguidores da luxúria, da raiva, ganância e da ilusão. Shiva é frequentemente representado como um homem de cor azul, simbolizando que ele é a luz que emerge da escuridão.

Sistema de Castas

Embora o sistema de castas tenha sido oficialmente extinto, ainda faz parte da cultura indiana. Na verdade esse sistema não existia apenas na Índia, mas também no Nepal e outros países com religião Hindu.

O sistema dividia as pessoas de acordo com sua posição social. Existiam mais de 3 mil diferentes castas na Índia, resultantes das subdivisões das quatro castas clássicas. As principais castas eram:

  • os bramanes, que incluíam os sacerdotes, professores, religiosos e nobres,
  • os xatrias, considerados guerreiros
  • os vaixias, onde estavam os comerciantes e fazendeiros
  • os sudras, que eram camponeses, artesãos e operários

Ainda existiam os párias ou dalits que eram considerados sem castas. Os hinduístas acreditavam que esses não teriam nascido do deus Brahma e, por isso, deviam ser discriminados.

O lado mais perverso do sistema de castas era porque sua classificação era determinada de pessoa para pessoa pela hereditariedade. Ou seja, esse sistema determinava muitas vezes o destino de cada pessoa.

Atualmente discriminação por castas é ilegal, mas funcionava assim: Se você tivesse nascido em uma família de dalits, não podia frequentar uma escola, não podia entrar na casa de alguém de um “nível” superior ao seu. Isso para você não se misturar com pessoas de castas superiores. Essas pessoas ficavam com o trabalho de matar animais ou limpar os banheiros por exemplo. Por causa da “sujeira” que carregavam, eles eram considerados “untouchables” ou intocáveis.

Gandhi e os dalits

Gandhi lutou até a morte para enfrentar dois grandes desafios do país, erradicar a discriminação dos dalits e pacificar muçulmanos e hindus. Ambos os desafios são ainda hoje questões pendentes que o governo indiano vem tentando combater. A constituição da Índia já protege legalmente os dalits, que também participam de um sistema de cotas em educação e empregos públicos, mas ainda há muito o que fazer. Imagino o quão difícil deve ser mudar isso, uma parte perversa e enraizada da cultura da Índia que resiste há séculos.

Casamento indiano

O casamento indiano não é uma simples cerimônia. Isso porque, de acordo com a cultura da Índia, a união entre duas pessoas deve ser celebrada sempre em grande estilo. A festa é realizada em etapas e pode durar até semanas. A etapa mais esperada é o preparo da noiva, quando ela passa por um intenso processo de beleza e recebe tatuagens de henna nas mãos e pés com as letras do nome do noivo. Nada de branco, a noiva indiana usa roupas bastante coloridas, especialmente em tons avermelhados.

No dia da cerimônia o noivo chega normalmente em um cavalo branco. Os pais da noiva lavam os pés dele e o casal fica separado por um véu de seda. No fim da cerimônia de mantras a cortina caí e ambos podem se olhar.

Culinária indiana

A gastronomia indiana caracteriza-se por ser bem condimentada, pela diversidade de temperos e especiarias e pelo uso de MUITA pimenta. A bebida favorita deles é o chá (adoro, voltei estocada!)

Cerca de 30% dos hindus são vegetarianos, porque no hinduísmo acredita-se que os animais são sagrados. Muitos restaurantes são exclusivamente vegetarianos, e em todos os cardápios existem muitas opções para eles. Mas eu não sou e adorei o frango tandoori, encontrado na maioria dos restaurantes.

O Sari

As roupas indianas são muito ligadas às tradições religiosas e variam muito de região pra região. O colorido delas impressiona e atrai, sem falar nos acessórios usados, como pulseiras, piercings, anéis, tornozeleiras, colares. Sempre com muito brilho, bordados e rendas.

A roupa mais famosa para o público feminino é o ‘Sari‘, que é um grande pedaço de tecido de 6 a 8 metros que a mulher veste se enrolando. Existem mais de 100 formas e combinações para usar a peça. Dependendo da forma pode significar que a mulher é casada, identificar em que região da Índia a mulher vive, transmitir a sua classe social, bem como o seu estilo de vida.

Visitamos uma loja em Old Delhi onde escolhemos o tecido, os costureiros tiraram nossas medidas e entregaram nossos saris no hotel no dia seguinte. Em muitos lugares é possível confeccionar a roupa na hora.

O turbante

Entre as roupas tradicionais masculinas estão o uso de dhoti, uma espécie de saia feita de um tecido de cinco metros que os homens enrolam na cintura e dão um nó entre as pernas antes de os amarrar. Também é comum usarem o ‘sherwani‘, que é um casaco longo. Mas a peça principal para muitos é o turbante, um símbolo de orgulho, prestígio, respeito e “realeza”.

Ele é um adereço quase indispensável ao homem, principalmente os rajasthanis. Um homem que não o usa é considerado “despido”. O pano, que chega a medir 25 metros, tem vários estilos que podem mudar a cada 15 km… Existem mais de mil tipos de turbantes e formas de usá-lo?! 😮👳‍♂️👳‍♀️ É… Inclusive é possível identificar um indivíduo pela casta, crença, religião e região baseando-se nas cores e no estilo de amarrá-lo, mas atualmente é usado mais pela tradição que por razões religiosas.

Uma curiosidade: originalmente, o povo da região começou a vesti-lo para manter a cabeça úmida e fria, amenizando o calor do deserto. O tecido era deixado de molho em água durante a noite e atado à cabeça pela manhã. Outra utilidade é a de servir como um travesseiro ou um cobertor no momento de tirar uma soneca no meio do dia, em qualquer lugar, um hábito muito comum aos indianos.

Arquitetura Indiana

A arquitetura indiana é marcada pelos grandes templos, locais das cerimônias religiosas. Eles atraem pela beleza e riqueza dos detalhes, repletos de cores, e com o uso regular de estátuas de Deuses hindus.

Espere encontrar uma mistura entre arquitetura islâmica e hindu. Destaque para o Taj Mahal, que é uma das obras de arquitetura mais conhecidas na Índia. Com influência islâmica, este mausoléu é considerado pela UNESCO como um Patrimônio da Humanidade.

Espero que tenha curtido meu artigo sobre a Cultura da Índia. Se sim, deixa um comentário aqui abaixo para eu saber disso! <3

Obrigada pela visita, volte sempre!

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

4 comentários até agora!

    1. Obrigada!! Fiquei feliz com seu feedback. 😉 Escrevi vários outros inspirada na viagem que fiz no final do ano passado. Chegou a ver os outros?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *