Costa Amalfitana

Costa Amalfitana – Sorrento e Amalfi

Por Renato Willi

Chegando em Sorrento, ficamos num hotel com vista para o belo Mar Mediterrâneo. O hotel tinha vista. Nosso quarto, não. A gente tinha vista pra uma rua nos fundos onde não tinha nada. Não é uma reclamação, afinal, se for pra não ter vista de nada, que seja na Costa Amalfitana!

Sorrento é uma cidade logo no início da Costa Amalfitana. Tem boa oferta de hotéis, o que a torna mais competitiva em termos de preço. O hotel foi escolhido na sorte: usamos o serviço do hotwire.com, que faz um sorteio, de acordo com parâmetros como orçamento, quantidade de estrelas do hotel ou região da hospedagem. Há outros locais com bons preços, como Praiano. Já Positano, a mais badalada, é bem mais cara. Também há muitos hotéis luxuosos, com piscinas e decks particulares para quem tem condições.

Costa Amalfitana
Anoitecer em Sorrento

O nome Sorrento deriva da palavra “Sirenas” – sereias, batizada pelos Gregos, que dominavam toda essa região antes da ascensão dos Romanos. Esses seres mitológicos deviam ser as velhas versões das desculpas esfarrapadas atuais como “fiquei sem sinal” ou “fiquei sem bateria”. Imagina a cena, o grego chega em casa depois de uma semana navegando pra pescar, sem peixe nenhum, bêbado de vinho e com marca de batom na túnica, e dá de cara com a esposa brava na porta, já com aquela sandália cheia de cordinhas na mão…

“- Isso são horas??? Bêbado??? E sem nada nas mãos???

– Sabe o que é, no meio do mar apareceram sereias que cantavam e fomos todos seduzidos pelo seu canto, acabamos batendo numas pedras e afundamos o barco… Não pudemos resistir…

– Sei… Mas e essa bebedeira?

– Pois então, conhece o Dionísio?”

Como todas as cidades da Costa Amalfitana, é composta de várias construções coloridas encrustadas numa encosta íngreme, cuja composição causa uma espécie de atração inexplicável a nossos olhos, de tanta beleza. Dá vontade de passar horas apreciando.
A cidade tem bons restaurantes (para ir aos melhores, faça reserva antes!), cafés, zilhões de lojas de souvenirs locais (muitos produzidos na China), gelaterias premiadas e um centro com uma vida noturna bastante agitada para padrões europeus, com gente de toda idade passeando pelas ruas.

Você pode conhecer a cidade toda à pé, o que vale muito à pena pra absorver direito os detalhes. Várias ruas pitorescas e locais centenários – todos cuidados com muito zelo, enfeitados com as flores da primavera. São muitas escadarias – mas não se compara a Positano – a mais íngreme com quase nada de cidade plana. As paredes das escadarias são cobertas por trepadeiras e vasos de flores, bem como as pequenas varandas das casas, e vez ou outra você encontra pequenos santuários no muros.

Costa Amalfitana

Conhecer tudo à pé, mesmo com muitas escadarias, é uma dica que vale pra todas as cidades da região. Vi muita gente de idade fazendo o mesmo, muitas vezes com apoio daqueles bastões de trecking.

O dia seguinte amanheceu feio, chovendo. Iríamos passar o dia em Capri e mudamos o plano pra ir direto para o fim (Ravello), pra dar tempo da chuva passar, e voltarmos devagarinho passando por Amalfi e Positano. E esse foi o momento mais aventura da viagem, pra fazer jus ao Blog da Flávia. Sim, estou falando da experiência única que é dirigir na estrada da Costiera Amalfitana!!!

Fiquei muito surpreso ao descobrir que essa estrada tem 750 anos e levou 150 anos pra ser construída! Nota-se que houve muito cuidado com detalhes, muitos suportes à estrada são feitos de belos arcos de pedras. As vistas são belíssimas, e dá vontade de parar o tempo todo pra apreciar e tirar fotos. A grande frustração é que há pouquíssimos locais onde isso pode ser feito. Esses poucos também estão normalmente lotados. E normalmente há uma fila enorme de carros atrás de você, outra na frente, de um lado passam carros quase raspando no seu retrovisor e em algumas curvas mais anguladas, simplesmente não dá pra passar 2 carros ao mesmo tempo! Sem exagero, às vezes você tem que parar pra um carro passar e depois você passar. Quando há um ônibus então, pode ter paciência. Será uma confusão!

Costa Amalfitana

Costa Amalfitana
Amalfi a frente

E se você ainda quiser dar a volta pra passar num lugar de novo?

Agora, imagine passar por essa bela estradinha, entre carros, encostas e penhascos, com um motorista muito ruim de roda ao seu lado! Essa foi a aventura da Lia, minha esposa em nossa viagem pela Costa Amalfitana. =)

Costa Amalfitana
Positano a frente

Ao longo da estrada você também pode ver algumas torres nos pontões das encostas. Eram postos avançados construídos pra vigiar a costa e avisar sobre as invasões dos Sarracenos, no século 15 (Os mouros, que você aprendeu na escola que tinham a tecnologia, matemática e medicina mais avançada que o ocidente e tomaram conta do Mediterrâneo, o que em última instância acarretou na “descoberta” das Américas.)

Ao avistar alguma ameaça, os guardas acendiam grandes piras de fogo nessas torres, e como uma rede de comunicação, e cada torre que avistava o sinal, também acendia sua pira, levando a informação do ataque ao povo de sua cidade. Internet medieval, igual à do filme Senhor dos Anéis. São 30 torres dessas ao longo da costa.

Costa-Amalfitana-Italia- - 1 (5)

Além dos Sarracenos e Gregos, ao longo da História essa região também foi invadida por Etruscos, Romanos, Normandos e Aragões (Espanhóis). No séc. 19, jovens intelectuais europeus também invadiriam essa região pra fazer o chamado “Grand-Tour” pelos locais mais importantes da Itália em busca de sol e inspiração, dentre eles: Byron, Scott, Dickens, Goethe, Wagner, Ibsen e Nietzsche.

Hoje a região só é invadida por pacíficos turistas mesmo.

Como passamos mais tempo que o esperado na estrada, paramos pouco antes do almoço pra conhecer Amalfi – a que batizou o local todo – e comermos. Amalfi tinha essa moral toda porque era uma potência naval muito próspera, à altura de Gênova, Pisa e Veneza. Fazia comércio no mediterrâneo e você consegue ver vestígios de sua força pela quantidade de belas igrejas e pela bandeira orgulhosamente exposta em vários locais. Dizem que tanto o inventor da bússola naval quanto os melhores mapas navais do mediterrâneo na era medieval eram de lá. Até que foram derrotados por Pisa em 1137 e a cidade começou a declinar.

Costa Amalfitana

Amalfi também é mais horizontal e suficientemente pequena para que você faça um passeio agradável à pé. Tem uma bela catedral e uma pequena praia para padrões brasileiros – aliás, se você espera ter alguma experiência parecida com as que tem nas praias do Brasil na Europa, cautela! É BEM diferente!

Costa Amalfitana

Você pode visitar as ruínas dos antigos estaleiros da cidade, onde os navios de guerra eram construídos no antigo arsenal e também visitar o museu do papel – produção artesanal de papel é uma das mais antigas tradições da Costa Amalfitana e é parte da cultura e identidade da cidade.

Costa Amalfitana

Mas e o Limoncello?

O Limoncello vai ficar pro próximo post sobre Ravello, Positano e Capri. Se quiser saber mais sobre a Costa Amalfitana, Amalfi, Sorrento ou o que não fazer dirigindo pela Costiera, deixe aqui seu comentário que responderemos com prazer!

Abraço!

Willi

Sobre Renato Willi

Renato Willi

Meu avô era mecânico de aviões. Meu pai acompanhava meu avô aos aeroportos e via só “gente de cabeça branca” descendo dos aviões. Decidiu que não ia esperar ficar com cabeça branca pra começar a conhecer o mundo e assim seguiu a carreira no turismo, sempre viajando (muito!), como empresário até se “aposentar” – do trabalho, as viagens faz até hoje!

Eu sou o legado deles, fazendo minha parte pra continuar essa história. Adoro viagens, comidas, história, fotografias, paisagens, músicas e andar por aí com a mochila nas costas.

Você pode acompanhar mais minhas andanças por aqui:

https://www.instagram.com/rw1ll1/

https://www.facebook.com/JuntosViajando/

https://www.facebook.com/RenatoWilli31

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

2 comentários até agora!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *